Login
Notícias

Simpósio de Mediação em Sorriso (MT)

SIMPÓSIO DE MEDIAÇÃO FAZ SUCESSO EM SORRISO
Simpósio de Mediação em Sorriso (MT)

Duzentos estudantes do curso de Direito da Universidade de Cuiabá (Unic), campus Sorriso, participaram do Simpósio Acadêmico de Mediação organizado pelo Centro Judiciário de Solução de Conflitos (Cejusc) da comarca (410 km de Cuiabá) em parceria com a 17ª Subseção da Ordem dos Advogados e com a instituição de ensino.

O evento foi realizado no Plenário da OAB. O coordenador do Cejusc de Sorriso, juiz Anderson Candiotto, proferiu a palestra “Marco Legal da Mediação e Novo Mercado de Trabalho”. Já a advogada especialista em Métodos de Abordagens e Conflitos, Rebeka Vieira, palestrou sobre “A Importância do Advogado Para a Mediação Judicial”.

O juiz Anderson Candiotto destacou que uma das intenções desse encontro é desmistificar o tema para que as pessoas possam aderir a esse novo método de trabalho. Além disso, visa estimular a pesquisa acadêmica e colaborar para que esses estudantes sejam profissionais capacitados nessa área. “Que haja essa mudança de mentalidade e sejam juristas afetos à mediação e não advogados que prefiram a cultura do litígio”, observou.

A advogada Rebeka endossou as palavras do colega magistrado. “A iniciativa contribui para o despertar de uma nova consciência na vindoura geração de juristas, que caminha atenta ao que entendo também ser a função social de nossos ofícios: a pacificação social, cujo caminho é trilhado com práticas colaborativas e quebra de paradigmas”, frisou. Ela salientou também que o simpósio apresentou a mediação, seu alcance, possibilidades, e a importância do advogado para o desenvolvimento e fortalecimento das práticas autocompositivas.

As palestras foram enriquecidas com a participação da professora de mediação da Unic Sorriso, Stella Bimbatto, e do presidente da 17ª Subseção da OAB/MT, Evandro dos Santos, que atuaram como debatedores. O coordenador do curso de Direito da UNIC local, Fernando Mascarello, também destacou o quanto a iniciativa significa para a formação dos futuros profissionais. “Sem dúvida, propicia que o acadêmico desenvolva seu conhecimento e suas habilidades não só em sala de aula, como a vivência prática, o que certamente colabora com sua formação não só como bacharel em Direito, mas como cidadão atuante e multiplicador de boas práticas”, disse.

Os estudantes interagiram e aproveitaram ao máximo que puderam para adquirir conhecimento. “Foi muito proveitoso entender a importância do advogado na mediação e nos demais métodos autocompositivos”, avaliou o estudante Roger Felipe Paulini. O evento deixou “gosto de quero mais”. “É evidente que eventos como este devem ser cada vez mais constantes, para que não só os acadêmicos e os advogados tenham acesso à informação como também toda a sociedade, e que estas técnicas passem a fazer parte da nossa cultura”, afirmou outro acadêmico, Marcos Vinicius Oliboni.

Outras parcerias com o meio acadêmico – Esta não é a primeira nem a única parceria da Justiça local com o meio acadêmico para fomentar cada vez mais a conciliação e a mediação, que serão etapas obrigatórias, conforme preceitua o novo Código de Processo Civil, que entra em vigor em 2016. O Cejusc de Sorriso possui Termo de Cooperação com a mesma universidade para que os estudantes que atuam no Núcleo de Práticas Jurídicas da faculdade, antes de judicializar qualquer demanda, ingressem no Centro com pedido de sessão de conciliação.

O estudante atua como conciliador e faz relatórios informando o aproveitamento que teve. Além disso, a mola propulsora da conciliação, que são os conciliadores voluntários, é composta por 70% de universitários. O tempo que atua no Centro resulta na contagem de horas na grade extracurricular. “O foco sempre é o conhecimento empírico”, conclui o juiz Candiotto.

 

Fonte: TJMT  http://www.tjmt.jus.br/noticias/41078#.VwUXH7vmpYd

 

comments